Menu fechado

Greve do metrô: trabalhadores decidem manter paralisação até, pelo menos, 17 de janeiro

Em assembleia, categoria continua reivindicando a revogação de portaria que põe em marcha a privatização da CBTU em Belo Horizonte

Os metroviários de Belo Horizonte decidiram manter a greve da categoria, que teve início na última semana. Em assembleia da categoria realizada nesta terça-feira (28), os trabalhadores votaram pela manutenção da paralisação dos serviços, com funcionamento da operação comercial em escala mínima até o dia 17 de janeiro. Durante a reunião, ficou decidido ainda que no dia 31 de dezembro a operação será até às 20h, contrariando a decisão da liminar, que previa operação nesta data até às 23h.
 
Na última segunda-feira (27), o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Fernando Rios Neto, determinou que o sindicato dos metroviários oficializem a posição dos trabalhadores até o dia 4 de janeiro. Na ocasião, a Advocacia-Geral da União (AGU) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) se manifestaram pelo encerramento da greve. 

De acordo com o presidente do Sindimetro, Romeu Machado, uma nova assembleia está marcada para o dia 17 de janeiro. 

“A interrupção da greve está nas mãos do governo federal. Basta chamar o sindicato e suspender a resolução do Conselho de Parcerias de Investimento. Se não recuar disso, está mantida a greve”, diz em referência à resolução que põe em marcha o processo de privatização da CBTU em Belo Horizonte. 
 
Sobre a reivindicação do Sindimetro, a CBTU esclarece que não cabe à companhia a decisão de suspender parcialmente essa portaria, ratificando o posicionamento do Ministério Público e do Poder Judiciário. 

Uma liminar do TRT determinou o funcionamento da operação metroviária de 5h30 às 10h e das 16h30 às 20h. Nos dias 24 e 31/12, véspera de Natal e Ano Novo, a liminar impôs o horário da operação de 5h30 às 10h e das 16h30 às 23h. Com 100% dos trens operando nos intervalos mencionados. O resultado da decisão determinou a continuidade dos serviços de manutenção e segurança para atendimento à população, este último, sem qualquer interrupção.
 
 A decisão do TRT previa que a escala mínima fosse cumprida desde o dia 23 de dezembro mas, nos dias 23 e 24, a paralisação foi de 100% da operação. O valor da multa proferida pelo desembargador Dr. Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto é de R$ 30 mil por dia de descumprimento do serviço nos horários de pico.

Fonte: Portal Rádio Itatiaia

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.