Menu fechado

Greve do transporte complementar de Fortaleza segue por tempo indeterminado

Sem avanço nas negociações extrajudiciais, a greve dos trabalhadores do transporte alternativo de Fortaleza, deflagrada no dia 21 de junho, segue sem previsão de término. A categoria reivindica reajuste salarial, vacinação contra a Covid-19, plano de saúde com cobertura integral e melhores condições de trabalho. Apesar da paralisação, 70% da frota continua operando, por determinação de uma liminar expedida pelo Tribunal Regional do Trabalho do Ceará (TRT-CE) ainda no primeiro dia da greve.

Na decisão, o desembargador federal do trabalho Paulo Régis Machado alegou que serviços considerados essenciais não podem ser paralisados por completo. Também argumentou que, no contexto da pandemia de Covid-19, a recomendação das autoridades de saúde é que haja ampliação na oferta de veículos do transporte coletivo para evitar aglomerações e reduzir o risco de infecções.

A liminar atendeu a um pedido da Cooperativa dos Transportadores Autônomos de Passageiros do Estado do Ceará (COOTRAPS), da qual os trabalhadores cobram aumento de 8% nos salários há pelo menos três meses. A entidade, por sua vez, ofereceu reajuste de 3%, proposta até agora rechaçada pelo Sindicato que representa a categoria, o Sintraafor – Sindicato dos Empregados e Empregadas Permissionários, Cooperativas em Transportes Alternativos e Complementares de Passageiros Municipais e Intermunicipais do Ceará.

Além do acréscimo nos vencimentos, os motoristas também pedem o fim da jornada diferenciada de quatro horas, medida que resultou em redução salarial de 50% para os trabalhadores que tiveram a carga horária diminuída pela metade.

Abrangência

O serviço de transporte complementar funciona mediante regime de permissão do município. A frota de vans atende a população por rotas que não são alcançadas pelos ônibus do transporte público regular. Segundo estimativa do Sintraafor, o serviço conta com pelo menos 200 motoristas cadastrados, que chegam a transportar, por dia, cerca de 220 mil pessoas.

Fonte: O Povo

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *